MD

Videoassist sem fios e barato

Sempre fiquei me perguntando o que é o aparelho que o Christopher Nolan carregava no pescoço. Achava que era algo como um tablet ou qualquer coisa organizacional.

Uma rápida pesquisa no google me levou a essa página.

O cara criou uma solução bem prática e barata que em alguns casos elimina a necessidade de videoassist: um transmissor UHF na câmera e uma tv de bolso na mão do diretor.

Como não é em HD, não serve como monitor para fazer foco, mas para ver o enquadramento sem precisar chegar perto da câmera funciona perfeitamente.

É fácil e barato de reproduzir em câmeras DSLR, também. Toda câmera tem saídas HDMI e RCA. No caso da saída HDMI é necessário um decodificador, e como o receptor é uma televisão de baixa resolução, o ideal é usar a saída RCA. Pode-se até fazer um transmissor caseiro pela facilidade de transpor o sinal RCA para UHF.

É uma solução de videoassist sem fios por menos de 200 reais.

jan. 15, 2013

O crédito de produtor

Tenho notado que a maioria dos futuros profissionais de cinema brasileiros não compreendem o funcionamento da hierarquia da indústria. Principalmente quanto a função do produtor.

Não lembro em qual filme vi que nos créditos tentaram organizar por equipes: direção, produção, foto, arte, som. Dentro da equipe de produção, vi creditarem alguém como produtor. Errado. Muito errado. 

O produtor de cinema não faz parte de qualquer equipe. O produtor é responsável (indiretamente) por todas as equipes e, dependendo do nível de atenção, supervisiona o trabalho de cada área. O que, ao menos no Brasil, se chama de produção, não é função do produtor. O produtor não faz produção, faz produtos.

Em uma equipe de produção, o topo hierárquico é o line producer ou executive in charge or production. O line producer é responsável por todas as questões administrativas da produção, de negociar os pagamentos a manter o filme dentro do orçamento. No Brasil, não existe a “tradução” da função, então é costume chamar de produtor executivo. Em alguns filmes americanos, como produtor executivo é um crédito um pouco mais genérico, até acontece o mesmo, porém com objetivo de aumentar o crédito ao line. Mais adiante, vou escrever sobre o produtor executivo.

Abaixo do line producer está o diretor de produção ou UPM. O UPM é responsável pelos detalhes da execução. É o profissional que vai estar em campo, durante a execução. Seu trabalho começa com a análise técnica e o calendário da produção (onde o 1º AD vai fazer o plano de filmagem), para logo em seguida apresentar os orçamentos. De questões operacionais, o UPM cuida do entorno das locações, desde negociar a disponibilidade destas até garantir todas as necessidades para o seu funcionamento.

Além destes, na equipe de produção, há os assistentes de produção. A função aqui é fazer o que mandam.

Esses dois cargos, o line producer e o diretor de produção, são os causadores da confusão. Por ser muito comum, aqui, uma pessoa acumular ambas as funções, criou-se o mal hábito de se chamar produtor.

Sabe o Oscar de melhor filme? Quem sobe no palco pra receber é o produtor. Não diminuindo a importância do line producer e do diretor de produção, estes não são as pessoas que merecem subir ao palco do Dolby Theatre e receber o prêmio. Eles não são responsáveis pelo que o filme é, enquanto obra artística. O produtor é.

O produtor é a figura mais importante do cinema. Mesmo em um filme autoral, onde o diretor tem a máxima liberdade de expressão artística, ele só está acumulando cargos. Ele é o diretor e o produtor. A parte de contratos que estabelecem de outra forma, o direito autoral do filme é do produtor.

A produção de um filme começa com uma idéia.

Ela pode vir de um roteirista, que vai encontrar um produtor que vai comprá-la. Pode vir de um diretor que, assim como no caso de um roteirista, encontrará um produtor que vai contratar um roteirista para realizá-la. E ambos, roteirista ou diretor, podem ser produtores. 

Ou então a idéia vai partir de um produtor, que contratará um roteirista, depois um diretor e os outros cargos above the line pra realizar o filme.

A visão do filme como arte (aqui um termo mais genérico) é do produtor. O diretor é alguém que, com sua técnica - as vezes mais específica -, vai transformar essa visão em planos.

Esse é o problema em creditar os cargos operacionais da produção como produtor: está se dando créditos autorais a cargos não responsáveis por decisões criativas.

jan. 14, 2013

Pra que isso?

Já respondendo, pra falar de produção. Melhor dizendo, da minha relação com o ofício.

Sempre gostei de criar conteúdo, independente da mídia. Já tive blog, já fui host e editor de podcast, já brinquei com design pra web, já produzi vídeos em VHS e usei os aparelhos de som do pai pra fazer mixagem e brincar de rádio com os amigos. Tudo por diversão, pra ver como era.

Da brincadeira até o cinema, foi um processo até rápido. O demorado foi notar que produzir é o que eu gosto de fazer.

Cursei meia faculdade de arquitetura - que adoro estudar - e notei que eu não rendia; por falta de esforço mesmo. Não tinha tesão em fazer aquilo. Larguei. 

Na época, minha então namorada dizia querer ser atriz. Eu dizia que “se é isso que você quer, vai!”. Isso acabou despertando em mim, a vontade de também fazer o curso por gostar muito de dublagem. Procurei cursos e mostrei pra ela as opções. No fim, ela não fez. O namoro acabou e , mal, sem nada pra fazer que me distraísse, me matriculei no curso. Acabei descobrindo algo que faço bem e me divirto fazendo.

Essa mudança foi o que me fez notar que eu gosto de entreter. E criou a ânsia de buscar outras formas de fazer isso.

Ainda nem formado ator, propus pro Jean, que já brincava com isso na faculdade, fazermos uma série: Arnaldo e Bianca. A Lauson acabou surgindo aí, nessa parceria.

Depois de formado e já trabalhando como ator, e com vontade de produzir mais, senti a necessidade me relacionar com o meio. Veio a faculdade de cinema e cá estou, um ano depois.

Entre trabalhos de faculdade, filmes dentro e fora da mesma e a Lauson, notei que havia bastante coisa que eu queria expor e discutir sobre produção. Pra isso serve esse espaço; pra falar dos diversos aspectos do assunto, seja produção above the line ou below the line, tecnicalidades, público, cinema, teatro, dublagem, video, enfim, como eu vejo e produzo entretenimento. Um lugar pra, sem compromissos de regularidade ou algo do tipo, poder desenvolver algumas ideias.

jul. 16, 2012